sexta-feira, 21 de agosto de 2009

AMERICANTO AMAR AMÉRICA


este poema é dedicado
à geração beat norte-americana
que pariu o Anti-Sonho
nos anos 60.


América
mulher de carnes cruas pregadas no meu peito
como colunas de ventos colossais
meus gritos são alegria de tambores
& montanhas de plástico
são doces campos de açúcar
& rios de sangue cheios de troncos negros
queimados na dança dos teus cabelos
que a noite estupra gargalhadando




Nenhum comentário:

Postar um comentário