quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

AMERICANTO AMAR AMÉRICA, poema de Juareiz Correya (São Paulo, 1972)








Primeiro canto / 
Poema escrito em São Paulo, SP, 1972
e publicado no Recife em 1975






América  
mulher de carnes cruas pregadas no meu peito  
como colunas de ventos colossais 
meus gritos são alegria de tambores 
& montanhas de plástico 
são doces campos de açúcar ....



________________________________________________
Página (31) do livro AMERICANTO AMAR AMÉRICA 
E OUTROS POEMAS DO SÉCULO 20 
- Juareiz Correya  - 
Panamerica Nordestal Editora, Recife, PE, 2010

domingo, 26 de novembro de 2017

AMERICANTO AMAR AMÉRICA & OUTROS POEMAS










AMERICANTO AMAR AMÉRICA 
&  OUTROS POEMAS 
(Capa do livreto e crédito editorial) 



........................................................................................................ 
Reprodução da capa (pag. 29) e do crédito editorial 
(página 30) do livreto AMERICANTO AMAR AMÉRICA 
& OUTROS POEMAS / 
Páginas do livro impresso 
AMERICANTO AMAR AMÉRICA 
& OUTROS POEMAS DO SÉCULO 20
- de Juareiz Correya  
(Panamerica Nordestal Editora, Recife, PE, 2010) 

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

POETAS DE PALMARES (1973) : "MODULO", de Juareiz Correya








Da antologia 
POETAS DE PALMARES (1973) 





____________________________________________ 
Página (27) reproduzida do livro impresso 
AMERICANTO AMAR AMÉRICA 
E OUTROS POEMAS DO SÉCULO 20 
- de Juareiz Correya  
(Panamerica Nordestal Editora, Recife, PE, 2010) 




domingo, 17 de setembro de 2017

POETAS DE PALMARES (1973) : "Poema sobre poucas palavras modificado", de Juareiz Correya







Da antologia 
POETAS DE PALMARES (1973) 



"...........................
conheço os limites, as possibilidades para encontrar  
o solo. são poucas 
como as chaves" 





________________________________________
Página (26) do livro impresso 
AMERICANTO AMAR AMÉRICA 
E OUTROS POEMAS DO SÉCULO 20, 
de Juaeiz Correya  
(Panamerica Nordestal Editora, Recife, PE, 2010) 



domingo, 23 de julho de 2017

POETAS DE PALMARES (1973) : "Finadia", de Juareiz Correya






"Finadia", da antologia 
POETAS DE PALMARES (1973) 




................................................................
"eu sobrenado no cemitério ridículo
onde besouros acendem velas 
e iluminam os semblantes dos mortos
florindo nas sepulturas. 
Histórias saem do chão 
e arrotam contra o meu peito  
odor e elos com as suas bocarras estendidas."     


_______________________________________
Página (25) do livro impresso  
AMERICANTO AMAR AMÉRICA 
E OUTROS POEMAS DO SÉCULO 20, 
de Juareiz Correya 
(Panamerica Nordestal Editora, Recife, PE, 2010)



domingo, 5 de fevereiro de 2017

POETAS DE PALMARES (1973) : "Velha Seca", de Juareiz Correya






"Velha Seca", da antologia 
POETAS DE PALMARES (1973) 




......................................................................... 
"(...) 
Ontem eu estava louca pra fazer, ela disse assim  
sem espantar as caras habituais do bar. 
E contou se afogando no copo de vinho 
que procurou um homem a noite inteira e não encontrou nada..." 


____________________________________ 
Página (24) do livro impresso 
AMERICANTO AMAR AMÉRICA 
E OUTROS POEMAS DO SÉCULO 20, 
de Juareiz Correya  
(Panamerica Nordestal Editora, Recife, PE, 2010) 




domingo, 29 de janeiro de 2017

POETAS DE PALMARES (1973) : "História de Província ", de Juareiz Correya






"História de Província", 
da antologia 
POETAS DE PALMARES (1973)




..................................................................... 

"(...) 
e o estudante correndo com o coração na boca 
atropelou muita gente 
porque pensava que o exército 
metia porradas no povo 
pra prender subversivos..." 



_______________________________________________
Página (23) do livro impresso
AMERICANTO AMAR AMÉRICA
E OUTROS POEMAS DO SÉCULO 20,
de Juareiz Correya
(Panamerica Nordestal Editora, Recife, PE, 2010)