domingo, 12 de junho de 2016

AMERICANTO AMAR AMÉRICA : Opinião de Potiguar Matos





     "Faz muito tempo desisti de compreender o Brasil.  Rio-me, às vezes, de velhas certezas infantis. Não me perguntem se é progresso ou demência progressiva. Tenho deixado os teóricos de lado e me entregue à tentação de ler respostas na festa de angústias das novas gerações.


............................................................................ 


     Penso nestas coisas andando a estrada tormentosa dos versos de Juareiz Correya :  Amanhece. / Mas eu sinto que não amanheço.


............................................................................ 


     O poeta tenta erguer um canto pagão, desmistifica palavras, mergulha-as em banho de lama e as sacode na cara de um universo corrupto, que despreza e provoca.  Não lhe interessa o amplo coração de Maiakovski, é, apenas, e totalmente sexo, como se acutilasse o sonho de gerar uma humanidade nova, onde a América, por exemplo, não fosse posse de um homem velho como Reagan... 


............................................................................


     Não tenho lido mais os teóricos, com sua sabedoria e o seu jogo de astúcias inteligentes.  Ando pelas ruas e sinto a gestação de palavras novas, novas e balbuciantes respostas.  Poetas jovens surgem da noite, carregam a madrugada em seus versos.  No desespero e ceticismo há coisas esplêndidas germinando : Me faço poeta, astronauta /  para jogar sobre os continentes meu sorriso de luta.   



(DIARIO DE PERNAMBUCO, Recife, 1982) 

_______________________________________________
Transcrito do livro AMERICANTO AMAR AMÉRICA
E OUTROS POEMAS DO SÉCULO 20 
- de Juareiz Correya  
(Panamerica Nordestal Editora, Recife, PE, 2010)